quinta-feira, 23 de março de 2017

As nossas aromáticas

Neste início de primavera aqui fica um apontamento fotográfico sobre as nossas aromáticas.


Hortelã

Menta chocolate

Oregãos


Tomilho

Alfazema

Mangerona

Absinto

Poejo

Aipo

Salvia

Segurelha

quarta-feira, 22 de março de 2017

Águas Residuais: Dia Mundial da Água 2017


Hoje, dia 22 de março, comemora-se o Dia Mundial da Água que este ano tem como tema Águas Residuais. Estas contêm substâncias contaminantes e, por isso, devem ser tratadas para defender os ecossistemas e os recursos naturais (solo, águas superficiais, águas subterrâneas, atmosfera), salvaguardar a saúde pública, a qualidade de vida e o conforto das populações.

Museu da Água (Lisboa)
Para celebrar este dia a EPAL promove visitas aos diversos núcleos do Museu da Água e faz regressar os aguadeiros a Lisboa. A campanha convida os munícipes, visitantes da capital e turistas a conhecer os diversos espaços que o museu possui. Durante uma semana, de 22 a 29 de março, a população pode visitar os espaços gratuitamente. Para além das visitas gratuitas aos núcleos do museu, existe ainda uma campanha de ativação de rua, que conta com a presença de aguadeiros a oferecer água da torneira a quem passa, mostrando a qualidade desta.

ETAR da Mutela (Almada)
Em Almada as águas residuais são tratadas em 4 estações de tratamento de águas residuais (ETAR): Mutela, Portinho da Costa, Quinta da Bomba e Valdeão. As ETAR funcionam como fábricas onde através de uma sequência de  operações (físicas) e processos (químicos e biológicos), se removem as substâncias contaminantes da água residual (tratamento da fase líquida). Daqui resultam resíduos (fase sólida) que são também sujeitos a tratamento, e transferidos para um destino final adequado (aterro sanitário, reutilização na agricultura, etc.). Resultam igualmente alguns gases, uns com potencial energético (biogás resultante da digestão anaeróbia de lamas) que pode ser utilizado para produzir energia térmica e elétrica (co-geração), outros com potencial de odores, que podem ser confinados e tratados antes de emitidos para a atmosfera (tratamento da fase gasosa).
Para ficares mais informado sobre este processo muito complexo aqui te deixamos este vídeo:



E para os mais pequeninos este...



...e mais este:

terça-feira, 21 de março de 2017

As nossas plantas

Neste início de primavera aqui ficam algumas imagens das nossas flores.
Margaridas-do-Cabo

Folhado

Alecrim

Cravina

Cravo túnico

Morangueiro com flor e fruto

Pascoínha

Rosmaninho

Cebolinho

Calêndula

Chagas

Amores-perfeitos
Jacinto

Alteia

Flor, folhas, raiz e extrato fluido da raiz de alteia.

A Alteia (Althaea officinalis L.), também conhecida como Malvaísco, Malva-da-Índia ou Malvões, pertence à família das Malváceas.

Alteia: folhas e flores.

É uma planta herbácea perene da Europa, excepto Islândia e da Ásia Ocidental temperada, cresce nos pauis, margens de lagoas e em prados húmidos.
Raiz de alteia para fazer chá
A malva pode por vezes confundir-se com a alteia, da mesma família, que apresenta características e propriedades terapêuticas muito semelhantes, sendo talvez a alteia mais rica em mucilagem e daí mais eficaz nalguns tratamentos das vias respiratóriasA alteia é muito utilizada no fabrico de xaropes e rebuçados contra a tosse e também no fabrico de uma espécie de gomas brancas ou cor-de-rosa muito apreciada pelos ingleses e que se fabricava a partir de um pó obtido da raiz da alteia.


Flores de alteia

Utilizam-se as folhas, flores, raízes, rebentos e sementes.
Na Idade Média, a alteia e a malva eram plantadas nos jardins dos mosteiros e utilizadas pelos monges para fins terapêuticos. 

Preparação de medicamentos
Convento de Mafra: armário de botica
Convento de Mafra: enfermaria
Convento de Mafra: enfermaria

Planta do mês: a bela malva

A malva: folhas, flores, fruto
malva (Malva sylvestris L.), malva-comum, malva-das-boticas, malva-maior ou malva-selvagem, é uma planta originária da Europa, sendo cultivada devido às suas belas flores. É uma planta herbácea e vivaz. Apresenta folhas grandes e flores de cinco pétalas de cor rosa forte ou lilás, com uns veios mais escuros.
Em Portugal cresce um pouco por todo o lado, desde o Minho ao Algarve, em caminhos, terrenos baldios, lixeiras etc. 

Flores da malva
Para além de planta ornamental é usada também na fitoterapia (folhas e flores). De facto, esta planta apresenta propriedades cicatrizantes, anti-inflamatórias, digestivas, calmantes, laxativas e emolientes

Chá de folhas e flores de malva
Ajuda a tratar problemas do foro digestivo (inflamação e irritação, úlceras, gastrites, colites)respiratório (catarros, faringites, laringites, bronquites, tosse), inflamações da boca (gengivite e aftas) e garganta, etc. As folhas são um potente germicida e sedativo natural.
Os banhos com folhas de malva trituradas em água tonificam a circulação e purificam o sangue. Em infusão aliviam problemas respiratórios.
Duas colheres de flores em infusão são extraordinárias para combater a tosse, e em gargarejos reduzem as inflamações de gengivas e garganta.
É um excelente dentífrico, imunizante contra infecções da boca e aftas. Melhora afecções da pele. A infusão de folhas e flores alivia a tosse, constipações e bronquite. As folhas em decocção aliviam a gastroenterite. As folhas de malva como cataplasma aliviam furúnculos.

Uma salada
Na culinária, as folhas das malvas podem ser utilizadas e cozinhadas como o espinafre, as acelgas ou as couves, em sopas e saladas, muito nutritivas para mulheres em fase de amamentação pois estimulam a produção do leite.


Risoto de malvas
 As raízes cozidas e depois fritas com alho ou cebola são um bom acompanhamento de arroz, carne ou peixe, as sementes possuem um delicado sabor a nozes. As flores são comestíveis, podendo ser utilizadas na decoração de vários pratos. 

Folha de malva afectada pelo fungo
Infelizmente é frequentemente atacada por um fungo, a ferrugem da malva (Puccinia malvacearum)As folhas da planta doente apresentam áreas amarelas, deprimidas, correspondentes às pústulas que se encontram na parte abaxial.
As nossas malvas

As nossas flores de malva

Infelizmente, também foram afectadas pela doença da ferrugem.
Em cima, à esquerda vêem-se as pústulas da ferrugem.

21 de março: vamos dar as boas-vindas à Primavera

Na cultura popular, a Primavera começa no dia 21 de março (Dia da Árvore e da Floresta), mas nos últimos anos a data tem-nos trocado as voltas. Neste ano de 2017, o primeiro dia de primavera começou a 20 de março, logo a meio da manhã, mais precisamente às 10h29min.
Nesse momento o Sol está a cruzar o chamado plano do equador celeste. Quando este evento acontece em março, chama-se de equinócio da primavera no hemisfério norte. No hemisfério sul o equinócio da primavera acontece em setembro. Equinócio é uma palavra em latim que aglutina dois termos com significados diferentes. Aequus significa igual e nox, noite. O termo quer dizer literalmente "noites iguais", isto porque nessa altura a noite e o dia têm sensivelmente a mesma duração, 12 horas.

A Terra no primeiro dia de primavera. 
Embora a chuva e a descida da temperatura estejam, este ano, a marcar o início do Equinócio da primavera, esta é sempre sentida como uma promessa dos dias longos, quentes e cheios de sol que aí vêm. De facto, a chegada da primavera é um evento sempre muito celebrado em todo o mundo, porque marca o fim do inverno, uma estação sempre associada ao mau tempo, desconforto e em termos históricos à escassez de comida. Para além disso, trata-se de uma celebração do renascimento da natureza, e historicamente era a altura em que se celebravam os festivais de fertilidade e abundância.

Chegada das andorinhas
Polinização
Polinização
Curiosamente, os ovos desempenham um papel importante nas comemorações do equinócio da primavera em todo o mundo. Conta um mito antigo que é possível equilibrar um ovo sobre a sua base, numa superfície plana, no momento exato em que se dá o equinócio da primavera, isto é, no momento exato em que dia e noite estão em equilíbrio perfeito. De facto, o ovo é um símbolo bastante antigo, anterior ao Cristianismo, que representa a fertilidade e o renascimento da vida. Muitos séculos antes do nascimento de Cristo, a troca de ovos no Equinócio da Primavera (21 de Março) era um costume que celebrava o fim do inverno e o início da primavera. Para obterem uma boa colheita, os agricultores enterravam ovos nas terras de cultivo. Quando a Páscoa cristã começou a ser celebrada, a cultura pagã de festejo da Primavera foi integrada na Semana Santa. Os cristãos passaram a ver no ovo um símbolo da ressurreição de Cristo. Colorir e decorar ovos é um costume também bastante antigo praticado no Oriente. Nos países da Europa de Leste, os ortodoxos tornaram-se grandes especialistas em transformar ovos em obras de arte.

Exemplo de um ovo feito em esmalte e pedras preciosas
para os czares russos.
Hoje e amanhã, a Câmara Municipal de Almada oferece plantas aos seus munícipes. Ora vê como podes candidatar-te a adoptar uma planta da flora mediterrânea para cuidares dela lá em casa.

Agenda das atividades promovidas pela CMA
Para terminar aqui te deixamos um maravilhoso apontamento musical dos MADREDEUS para celebrar a chegada da primavera.

A ANDORINHA DA PRIMAVERA

Andorinha de asa negra aonde vais?
Que andas a voar tão alta
Leva-me ao céu contigo, vá
Qu´eu lá de cima digo adeus
ao meu amor
Ó Andorinha
da Primavera
Ai quem me dera também voar
Que bom que era
Ó Andorinha
na Primavera
também voar